A gentileza de Nova York

O transporte público é o resumo de uma sociedade. A cidade funciona ou não de acordo com a disponibilidade dele; as pessoas chegam aonde querem, quando querem, se ele quiser; as relações se desenvolvem por causa dele. E nele.

A foto aí do lado foi tirada no último fim de semana e mostra um pouco da beleza desta cidade. Quando vim morar em Nova York, um conhecido nuvem-negra me recomendou que colocasse a simpatia no bolso e encarasse a cidade com toda a agressividade que eu tivesse. Nova York, ele me explicou, era uma selva. Eu precisava reagir aos avanços dos brutamontes que viviam aqui com unhas e dentes. Logo que desembarquei, tive várias surpresas. Perdida na rua, era rapidamente abordada por pessoas querendo me ajudar. Os vizinhos me davam bom dia (isso é privilégio do Harlem, tenho que reconhecer) e em alguns estabelecimentos eu era muito bem tratada. Em outros, nem tanto, mas nada muito diferente de Copacabana ou da Vila Madalena.

Os amigos que vivem aqui dizem o mesmo. A cidade não é nada do que lhes haviam dito. As pessoas não são agressivas e, se forem, basta responder educadamente para deixar o malandro mau humorado de calças curtas. As pessoas ficaram mais gentis? Foi o 11 de setembro? Não sei. Sei apenas que quando passei pelo ônibus e vi, através do vidro este labrador lindo, o motorista fez questão de abrir a porta para eu conversar com o cão-guia. Feliz da vida, descolou um sorrisão e começou a elogiar o bichinho, o dia, a cidade.

Hoje, voltando para casa de metrô, conheci Cedric. Professor de música e gerente de um bar de tapas, em downtown, ele era a cara do escritor Teju Cole. Perguntei se era ele. “Não, não sou eu. Ms como é o nome dele? E do livro dele? Você recomenda?” A conversa, foi da 14th Street até a 110th. Rendeu algumas indicações de livros (eu falei de Museu da Inocência e ele de The Cloud Atlas) e um aperto de mão. Descobrimos que somos vizinhos e esperamos nos reencontrar em mais um metrô, qualquer dia. Pois é assim que se constrói uma cidade.

2 thoughts on “A gentileza de Nova York

  1. Amei, Mila! Sempre recebi esse tipo de alerta: as pessoas em NY são grossas, apressadas, individualistas… e no entanto foi bem o contrário disso que vi e senti. Até meu inglês de índio ficou menos envergonhado depois de se sentir acolhido e compreendido nessa terra em que todo mundo é de todo lugar e ninguém é de lugar nenhum. A verdade é que nada nos traz mais benefícios do que deixar pra lá os estigmas e primeiras impressões, e permitir-se.😉

  2. Concordo em gênero, numero e grau! Por motivos que não vem ao caso, e vc bem sabe quais sao, tenho que admitir aqui em público que já chorei muito no sistema de transporte público de Nova York. Lembro como se fosse ontem de lágrimas e lágrimas escorrendo pelos meus casaquinhos de nylon. Várias vezes. Chorei porque sou pisciana e sentimental, mas também porque o metrô e os ônibus de NY me proporcionavam uma inexplicável sensação de conforto. Era como se eu estivesse entre amigos, como se todos ali estivéssemos no mesmo “barco”.
    Dito isto, posso dizer do “alto da minha experiencia” de chorona despudorada, que não houve uma única que vez em que não tivesse aparecido um alento na hora do pranto. Ou foi um discreto lencinho de papel oferecido com um sorriso de compaixão, ou até mesmo um ombro amigo surgido do nada. Como no dia em que contei toda a minha vida para uma mulher desgrenhada, com a maquiagem feita e refeita por cima de borrões, uma mendiga, talvez. Ela me falou sobre superação e disse que tudo ia melhorar.
    E tudo melhorou.
    E quem disser que NY é uma selva é porque, me desculpe, não conhece essa grande amiga.
    Rezica

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s